Código de Processo Civil - CPC com conteúdo dos artigos


 Art. 546. É embargável a decisão da turma que: (Revigorado e alterado pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 I - em recurso especial, divergir do julgamento de outra turma, da seção ou do órgão especial; (Revigorado e alterado pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 Il - em recurso extraordinário, divergir do julgamento da outra turma ou do plenário.(Revigorado e alterado pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 Parágrafo único. Observar-se-á, no recurso de embargos, o procedimento estabelecido no regimento interno. (Revigorado e alterado pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 CAPÍTULO VII DA ORDEM DOS PROCESSOS NO TRIBUNAL

 Art. 547. Os autos remetidos ao tribunal serão registrados no protocolo no dia de sua entrada, cabendo à secretaria verificar-lhes a numeração das folhas e ordená-los para distribuição.

 Parágrafo único. Os serviços de protocolo poderão, a critério do tribunal, ser descentralizados, mediante delegação a ofícios de justiça de primeiro grau. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001)

 Art. 548. Far-se-á a distribuição de acordo com o regimento interno do tribunal, observando-se os princípios da publicidade, da alternatividade e do sorteio.

 Art. 549. Distribuídos, os autos subirão, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, à conclusão do relator, que, depois de estudá-los, os restituirá à secretaria com o seu "visto" .

 Parágrafo único. O relator fará nos autos uma exposição dos pontos controvertidos sobre que versar o recurso.

 Art. 550. Os recursos interpostos nas causas de procedimento sumário deverão ser julgados no tribunal, dentro de 40 (quarenta) dias.

 Art. 551. Tratando-se de apelação, de embargos infringentes e de ação rescisória, os autos serão conclusos ao revisor.

 § 1o Será revisor o juiz que se seguir ao relator na ordem descendente de antigüidade.

 § 2o O revisor aporá nos autos o seu "visto", cabendo-lhe pedir dia para julgamento.

 § 3o Nos recursos interpostos nas causas de procedimentos sumários, de despejo e nos casos de indeferimento liminar da petição inicial, não haverá revisor. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 Art. 552. Os autos serão, em seguida, apresentados ao presidente, que designará dia para julgamento, mandando publicar a pauta no órgão oficial.

 § 1o Entre a data da publicação da pauta e a sessão de julgamento mediará, pelo menos, o espaço de 48 (quarenta e oito) horas.

 § 2o Afixar-se-á a pauta na entrada da sala em que se realizar a sessão de julgamento.

 § 3o Salvo caso de força maior, participará do julgamento do recurso o juiz que houver lançado o "visto" nos autos.

 Art. 553. Nos embargos infringentes e na ação rescisória, devolvidos os autos pelo relator, a secretaria do tribunal expedirá cópias autenticadas do relatório e as distribuirá entre os juízes que compuserem o tribunal competente para o julgamento.

 Art. 554. Na sessão de julgamento, depois de feita a exposição da causa pelo relator, o presidente, se o recurso não for de embargos declaratórios ou de agravo de instrumento, dará a palavra, sucessivamente, ao recorrente e ao recorrido, pelo prazo improrrogável de 15 (quinze) minutos para cada um, a fim de sustentarem as razões do recurso.

 Art. 555. No julgamento de apelação ou de agravo, a decisão será tomada, na câmara ou turma, pelo voto de 3 (três) juízes. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001)

 § 1o Ocorrendo relevante questão de direito, que faça conveniente prevenir ou compor divergência entre câmaras ou turmas do tribunal, poderá o relator propor seja o recurso julgado pelo órgão colegiado que o regimento indicar; reconhecendo o interesse público na assunção de competência, esse órgão colegiado julgará o recurso. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001)

 § 2o A qualquer juiz integrante do órgão julgador é facultado pedir vista por uma sessão, se não estiver habilitado a proferir imediatamente o seu voto.(Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001)

 Art. 556. Proferidos os votos, o presidente anunciará o resultado do julgamento, designando para redigir o acórdão o relator, ou, se este for vencido, o autor do primeiro voto vencedor.

 Art. 557. O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

 § 1o-A Se a decisão recorrida estiver em manifesto confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior, o relator poderá dar provimento ao recurso. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

 § 1o Da decisão caberá agravo, no prazo de cinco dias, ao órgão competente para o julgamento do recurso, e, se não houver retratação, o relator apresentará o processo em mesa, proferindo voto; provido o agravo, o recurso terá seguimento. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

 § 2o Quando manifestamente inadmissível ou infundado o agravo, o tribunal condenará o agravante a pagar ao agravado multa entre um e dez por cento do valor corrigido da causa, ficando a interposição de qualquer outro recurso condicionada ao depósito do respectivo valor. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

 Art. 558. O relator poderá, a requerimento do agravante, nos casos de prisão civil, adjudicação, remição de bens, levantamento de dinheiro sem caução idônea e em outros casos dos quais possa resultar lesão grave e de difícil reparação, sendo relevante a fundamentação, suspender o cumprimento da decisão até o pronunciamento definitivo da turma ou câmara. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 9.139, de 30.11.1995)

 Parágrafo único. Aplicar-se-á o disposto neste artigo as hipóteses do art. 520. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 9.139, de 30.11.1995)

 Art. 559. A apelação não será incluída em pauta antes do agravo de instrumento interposto no mesmo processo.

 Parágrafo único. Se ambos os recursos houverem de ser julgados na mesma sessão, terá precedência o agravo.

 Art. 560. Qualquer questão preliminar suscitada no julgamento será decidida antes do mérito, deste não se conhecendo se incompatível com a decisão daquela. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Parágrafo único. Versando a preliminar sobre nulidade suprível, o tribunal, havendo necessidade, converterá o julgamento em diligência, ordenando a remessa dos autos ao juiz, a fim de ser sanado o vício. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 561. Rejeitada a preliminar, ou se com ela for compatível a apreciação do mérito, seguir-se-ão a discussão e julgamento da matéria principal, pronunciando-se sobre esta os juízes vencidos na preliminar.

 Art. 562. Preferirá aos demais o recurso cujo julgamento tenha sido iniciado.

 Art. 563. Todo acórdão conterá ementa. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994)

 Art. 564. Lavrado o acórdão, serão as suas conclusões publicadas no órgão oficial dentro de 10 (dez) dias.

 Art. 565. Desejando proferir sustentação oral, poderão os advogados requerer que na sessão imediata seja o feito julgado em primeiro lugar, sem prejuízo das preferências legais.

 Parágrafo único. Se tiverem subscrito o requerimento os advogados de todos os interessados, a preferência será concedida para a própria sessão.

 LIVRO II DO PROCESSO DE EXECUÇÃO

 TÍTULO I DA EXECUÇÃO EM GERAL

 CAPÍTULO I DAS PARTES

 Art. 566. Podem promover a execução forçada:

 I - o credor a quem a lei confere título executivo;

 II - o Ministério Público, nos casos prescritos em lei.

 Art. 567. Podem também promover a execução, ou nela prosseguir:

 I - o espólio, os herdeiros ou os sucessores do credor, sempre que, por morte deste, Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo;

 II - o cessionário, quando o direito resultante do título executivo Ihe foi transferido por ato entre vivos;

 III - o sub-rogado, nos casos de sub-rogação legal ou convencional.

 Art. 568. São sujeitos passivos na execução:(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - o devedor, reconhecido como tal no título executivo; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - o espólio, os herdeiros ou os sucessores do devedor; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 III - o novo devedor, que assumiu, com o consentimento do credor, a obrigação resultante do título executivo; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 IV - o fiador judicial; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 V - o responsável tributário, assim definido na legislação própria. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 569. O credor tem a faculdade de desistir de toda a execução ou de apenas algumas medidas executivas.

 Parágrafo único. Na desistência da execução, observar-se-á o seguinte: (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 a) serão extintos os embargos que versarem apenas sobre questões processuais, pagando o credor as custas e os honorários advocatícios; (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 b) nos demais casos, a extinção dependerá da concordância do embargante. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 570. O devedor pode requerer ao juiz que mande citar o credor a receber em juízo o que Ihe cabe conforme o título executivo judicial; neste caso, o devedor assume, no processo, posição idêntica à do exeqüente.

 Art. 571. Nas obrigações alternativas, quando a escolha couber ao devedor, este será citado para exercer a opção e realizar a prestação dentro em 10 (dez) dias, se outro prazo não Ihe foi determinado em lei, no contrato, ou na sentença.

 § 1o Devolver-se-á ao credor a opção, se o devedor não a exercitou no prazo marcado.

 § 2o Se a escolha couber ao credor, este a indicará na petição inicial da execução.

 Art. 572. Quando o juiz decidir relação jurídica sujeita a condição ou termo, o credor não poderá executar a sentença sem provar que se realizou a condição ou que ocorreu o termo.

 Art. 573. É lícito ao credor, sendo o mesmo o devedor, cumular várias execuções, ainda que fundadas em títulos diferentes, desde que para todas elas seja competente o juiz e idêntica a forma do processo.

 Art. 574. O credor ressarcirá ao devedor os danos que este sofreu, quando a sentença, passada em julgado, declarar inexistente, no todo ou em parte, a obrigação, que deu lugar à execução.

 CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA

 Art. 575. A execução, fundada em título judicial, processar-se-á perante:

 I - os tribunais superiores, nas causas de sua competência originária;

 II - o juízo que decidiu a causa no primeiro grau de jurisdição;

 III - (Revogado pela Lei nº 10.358, de 27.12.2001)

 IV - o juízo cível competente, quando o título executivo for sentença penal condenatória ou sentença arbitral. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.358, de 27.12.2001)

 Art. 576. A execução, fundada em título extrajudicial, será processada perante o juízo competente, na conformidade do disposto no Livro I, Título IV, Capítulos II e III.

 Art. 577. Não dispondo a lei de modo diverso, o juiz determinará os atos executivos e os oficiais de justiça os cumprirão.

 Art. 578. A execução fiscal (art. 585, Vl) será proposta no foro do domicílio do réu; se não o tiver, no de sua residência ou no do lugar onde for encontrado.

 Parágrafo único. Na execução fiscal, a Fazenda Pública poderá escolher o foro de qualquer um dos devedores, quando houver mais de um, ou o foro de qualquer dos domicílios do réu; a ação poderá ainda ser proposta no foro do lugar em que se praticou o ato ou ocorreu o fato que deu origem à dívida, embora nele não mais resida o réu, ou, ainda, no foro da situação dos bens, quando a dívida deles se originar.

 Art. 579. Sempre que, para efetivar a execução, for necessário o emprego da força policial, o juiz a requisitará.

 CAPÍTULO III DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO

 Seção I Do Inadimplemento do Devedor

 Art. 580. Verificado o inadimplemento do devedor, cabe ao credor promover a execução.

 Parágrafo único. Considera-se inadimplente o devedor, que não satisfaz espontaneamente o direito reconhecido pela sentença, ou a obrigação, a que a lei atribuir a eficácia de título executivo.

 Art. 581. O credor não poderá iniciar a execução, ou nela prosseguir, se o devedor cumprir a obrigação; mas poderá recusar o recebimento da prestação, estabelecida no título executivo, se ela não corresponder ao direito ou à obrigação; caso em que requererá ao juiz a execução, ressalvado ao devedor o direito de embargá-la.

 Art. 582. Em todos os casos em que é defeso a um contraente, antes de cumprida a sua obrigação, exigir o implemento da do outro, não se procederá à execução, se o devedor se propõe satisfazer a prestação, com meios considerados idôneos pelo juiz, mediante a execução da contraprestação pelo credor, e este, sem justo motivo, recusar a oferta.

 Parágrafo único. O devedor poderá, entretanto, exonerar-se da obrigação, depositando em juízo a prestação ou a coisa; caso em que o juiz suspenderá a execução, não permitindo que o credor a receba, sem cumprir a contraprestação, que Ihe tocar.

 Seção II Do Título Executivo

 Art. 583. Toda execução tem por base título executivo judicial ou extrajudicial.

 Art. 584. São títulos executivos judiciais:

 I - a sentença condenatória proferida no processo civil;

 II - a sentença penal condenatória transitada em julgado;

 III - a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que verse matéria não posta em juízo; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.358, de 27.12.2001)

 IV - a sentença estrangeira, homologada pelo Supremo Tribunal Federal;

 V - o formal e a certidão de partilha.

 VI - a sentença arbitral. (Incluído pela Lei nº 10.358, de 27.12.2001)

 Parágrafo único. Os títulos a que se refere o no V deste artigo têm força executiva exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título universal ou singular.

 Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 II - a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor; o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas; o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores;(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 III - os contratos de hipoteca, de penhor, de anticrese e de caução, bem como de seguro de vida e de acidentes pessoais de que resulte morte ou incapacidade; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 IV - o crédito decorrente de foro, laudêmio, aluguel ou renda de imóvel, bem como encargo de condomínio desde que comprovado por contrato escrito; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 V - o crédito de serventuário de justiça, de perito, de intérprete, ou de tradutor, quando as custas, emolumentos ou honorários forem aprovados por decisão judicial;(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Vl - a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, Estado, Distrito Federal, Território e Município, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Vll - todos os demais títulos, a que, por disposição expressa, a lei atribuir força executiva. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 1o A propositura de qualquer ação relativa ao débito constante do título executivo não inibe o credor de promover-lhe a execução. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 2o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal, para serem executados, os títulos executivos extrajudiciais, oriundos de país estrangeiro. O título, para ter eficácia executiva, há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 586. A execução para cobrança de crédito fundar-se-á sempre em título líquido, certo e exigível.

 § 1o Quando o título executivo for sentença, que contenha condenação genérica, proceder-se-á primeiro à sua liquidação.

 § 2o Quando na sentença há uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e a liquidação desta.

 Art. 587. A execução é definitiva, quando fundada em sentença transitada em julgado ou em título extrajudicial; é provisória, quando a sentença for impugnada mediante recurso, recebido só no efeito devolutivo.

 Art. 588. A execução provisória da sentença far-se-á do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 I - corre por conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os prejuízos que o executado venha a sofrer; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 II - o levantamento de depósito em dinheiro, e a prática de atos que importem alienação de domínio ou dos quais possa resultar grave dano ao executado, dependem de caução idônea, requerida e prestada nos próprios autos da execução; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 III - fica sem efeito, sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução, restituindo-se as partes ao estado anterior; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 IV - eventuais prejuízos serão liquidados no mesmo processo. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 § 1o No caso do inciso III, se a sentença provisoriamente executada for modificada ou anulada apenas em parte, somente nessa parte ficará sem efeito a execução.(Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 § 2o A caução pode ser dispensada nos casos de crédito de natureza alimentar, até o limite de 60 (sessenta) vezes o salário mínimo, quando o exeqüente se encontrar em estado de necessidade. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 589. A execução definitiva far-se-á nos autos principais; a execução provisória, nos autos suplementares, onde os houver, ou por carta de sentença, extraída do processo pelo escrivão e assinada pelo juiz.

 Art. 590. São requisitos da carta de sentença:

 I - autuação;

 Il - petição inicial e procuração das partes;

 III - contestação;

 IV - sentença exeqüenda;

 V - despacho do recebimento do recurso.

 Parágrafo único. Se houve habilitação, a carta conterá a sentença que a julgou.

 CAPÍTULO IV DA RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL

 Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com todos os seus bens presentes e futuros, salvo as restrições estabelecidas em lei.

 Art. 592. Ficam sujeitos à execução os bens:

 I - do sucessor a título singular, tratando-se de execução de sentença proferida em ação fundada em direito real;

 II - do sócio, nos termos da lei;

 III - do devedor, quando em poder de terceiros;

 IV - do cônjuge, nos casos em que os seus bens próprios, reservados ou de sua meação respondem pela dívida;

 V - alienados ou gravados com ônus real em fraude de execução.

 Art. 593. Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens:

 I - quando sobre eles pender ação fundada em direito real;

 II - quando, ao tempo da alienação ou oneração, corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência;

 III - nos demais casos expressos em lei.

 Art. 594. O credor, que estiver, por direito de retenção, na posse de coisa pertencente ao devedor, não poderá promover a execução sobre outros bens senão depois de excutida a coisa que se achar em seu poder.

 Art. 595. O fiador, quando executado, poderá nomear à penhora bens livres e desembargados do devedor. Os bens do fiador ficarão, porém, sujeitos à execução, se os do devedor forem insuficientes à satisfação do direito do credor.

 Parágrafo único. O fiador, que pagar a dívida, poderá executar o afiançado nos autos do mesmo processo.

 Art. 596. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei; o sócio, demandado pelo pagamento da dívida, tem direito a exigir que sejam primeiro excutidos os bens da sociedade.

 § 1o Cumpre ao sócio, que alegar o benefício deste artigo, nomear bens da sociedade, sitos na mesma comarca, livres e desembargados, quantos bastem para pagar o débito.

 § 2o Aplica-se aos casos deste artigo o disposto no parágrafo único do artigo anterior.

 Art. 597. O espólio responde pelas dívidas do falecido; mas, feita a partilha, cada herdeiro responde por elas na proporção da parte que na herança Ihe coube.

 CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 Art. 598. Aplicam-se subsidiariamente à execução as disposições que regem o processo de conhecimento.

 Art. 599. O juiz pode, em qualquer momento do processo:(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - ordenar o comparecimento das partes;(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - advertir ao devedor que o seu procedimento constitui ato atentatório à dignidade da justiça. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 600. Considera-se atentatório à dignidade da justiça o ato do devedor que:(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - frauda a execução; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - se opõe maliciosamente à execução, empregando ardis e meios artificiosos; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 III - resiste injustificadamente às ordens judiciais; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 IV - não indica ao juiz onde se encontram os bens sujeitos à execução.(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 601. Nos casos previstos no artigo anterior, o devedor incidirá em multa fixada pelo juiz, em montante não superior a 20% (vinte por cento) do valor atualizado do débito em execução, sem prejuízo de outras sanções de natureza processual ou material, multa essa que reverterá em proveito do credor, exigível na própria execução.(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Parágrafo único. O juiz relevará a pena, se o devedor se comprometer a não mais praticar qualquer dos atos definidos no artigo antecedente e der fiador idôneo, que responda ao credor pela dívida principal, juros, despesas e honorários advocatícios. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 602. Toda vez que a indenização por ato ilícito incluir prestação de alimentos, o juiz, quanto a esta parte, condenará o devedor a constituir um capital, cuja renda assegure o seu cabal cumprimento. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 1o Este capital, representado por imóveis ou por títulos da dívida pública, será inalienável e impenhorável:(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - durante a vida da vítima; (Inlcluído pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - falecendo a vítima em conseqüência de ato ilícito, enquanto durar a obrigação do devedor. (Inlcluído pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 2o O juiz poderá substituir a constituição do capital por caução fidejussória, que será prestada na forma dos arts. 829 e segs. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 3o Se, fixada a prestação de alimentos, sobrevier modificação nas condições econômicas, poderá a parte pedir ao juiz, conforme as circunstâncias, redução ou aumento do encargo.(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 4o Cessada a obrigação de prestar alimentos, o juiz mandará, conforme o caso, cancelar a cláusula de inalienabilidade e impenhorabilidade ou exonerar da caução o devedor. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 CAPÍTULO VI DA LIQUIDAÇÃO DA SENTENÇA

 Art. 603. Procede-se à liquidação, quando a sentença não determinar o valor ou não individuar o objeto da condenação.

 Parágrafo único. A citação do réu, na liquidação por arbitramento e na liquidação por artigos, far-se-á na pessoa de seu advogado, constituído nos autos. (Incluído pela Lei nº 8.898, de 29.6.1994)

 Art. 604. Quando a determinação do valor da condenação depender apenas de cálculo aritmético, o credor procederá à sua execução na forma do art. 652 e seguintes, instruindo o pedido com a memória discriminada e atualizada do cálculo. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.898, de 29.6.1994)

 § 1o Quando a elaboração da memória do cálculo depender de dados existentes em poder do devedor ou de terceiro, o juiz, a requerimento do credor, poderá requisitá-los, fixando prazo de até 30 (trinta) dias para o cumprimento da diligência; se os dados não forem, injustificadamente, apresentados pelo devedor, reputar-se-ão corretos os cálculos apresentados pelo credor e a resistência do terceiro será considerada desobediência. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 § 2o Poderá o juiz, antes de determinar a citação, valer-se do contador do juízo quando a memória apresentada pelo credor aparentemente exceder os limites da decisão exeqüenda e, ainda, nos casos de assistência judiciária. Se o credor não concordar com esse demonstrativo, far-se-á a execução pelo valor originariamente pretendido, mas a penhora terá por base o valor encontrado pelo contador. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 605. Para os fins do art. 570, poderá o devedor proceder ao cálculo na forma do artigo anterior, depositando, de imediato, o valor apurado. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.898, de 29.6.1994)

 Parágrafo único. Do mandado executivo constará, além do cálculo, a sentença.

 Art. 606. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando:

 I - determinado pela sentença ou convencionado pelas partes;

 II - o exigir a natureza do objeto da liquidação.

 Art. 607. Requerida a liquidação por arbitramento, o juiz nomeará o perito e fixará o prazo para a entrega do laudo.

 Parágrafo único. Apresentado o laudo, sobre o qual poderão as partes manifestar-se no prazo de 10 (dez) dias, o juiz proferirá a sentença ou designará audiência de instrução e julgamento, se necessário.

 Art. 608. Far-se-á a liquidação por artigos, quando, para determinar o valor da condenação, houver necessidade de alegar e provar fato novo.

 Art. 609. Observar-se-á, na liquidação por artigos, o procedimento comum regulado no Livro I deste Código. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.898, de 29.6.1994)

 Art. 610. É defeso, na liquidação, discutir de novo a lide, ou modificar a sentença, que a julgou.

 Art. 611. Julgada a liquidação, a parte promoverá a execução, citando pessoalmente o devedor.

 TÍTULO II DAS DIVERSAS ESPÉCIES DE EXECUÇÃO

 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 Art. 612. Ressalvado o caso de insolvência do devedor, em que tem lugar o concurso universal (art. 751, III), realiza-se a execução no interesse do credor, que adquire, pela penhora, o direito de preferência sobre os bens penhorados.

 Art. 613. Recaindo mais de uma penhora sobre os mesmos bens, cada credor conservará o seu título de preferência.

 Art. 614. Cumpre ao credor, ao requerer a execução, pedir a citação do devedor e instruir a petição inicial:

 I - com o título executivo, salvo se ela se fundar em sentença (art. 584);

 II - com o demonstrativo do débito atualizado até a data da propositura da ação, quando se tratar de execução por quantia certa; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 III - com a prova de que se verificou a condição, ou ocorreu o termo (art. 572). (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 615. Cumpre ainda ao credor:

 I - indicar a espécie de execução que prefere, quando por mais de um modo pode ser efetuada;

 II - requerer a intimação do credor pignoratício, hipotecário, ou anticrético, ou usufrutuário, quando a penhora recair sobre bens gravados por penhor, hipoteca, anticrese ou usufruto;

 III - pleitear medidas acautelatórias urgentes;

 IV - provar que adimpliu a contraprestação, que Ihe corresponde, ou que Ihe assegura o cumprimento, se o executado não for obrigado a satisfazer a sua prestação senão mediante a contraprestação do credor.

 Art. 616. Verificando o juiz que a petição inicial está incompleta, ou não se acha acompanhada dos documentos indispensáveis à propositura da execução, determinará que o credor a corrija, no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de ser indeferida.

 Art. 617. A propositura da execução, deferida pelo juiz, interrompe a prescrição, mas a citação do devedor deve ser feita com observância do disposto no art. 219.

 Art. 618. É nula a execução:

 I - se o título executivo não for líquido, certo e exigível (art. 586);

 II - se o devedor não for regularmente citado;

 III - se instaurada antes de se verificar a condição ou de ocorrido o termo, nos casos do art. 572.

 Art. 619. A alienação de bem aforado ou gravado por penhor, hipoteca, anticrese ou usufruto será ineficaz em relação ao senhorio direto, ou ao credor pignoratício, hipotecário, anticrético, ou usufrutuário, que não houver sido intimado.

 Art. 620. Quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor.

 CAPÍTULO II DA EXECUÇÃO PARA A ENTREGA DE COISA

 Seção I Da Entrega de Coisa Certa

 Art. 621. O devedor de obrigação de entrega de coisa certa, constante de título executivo extrajudicial, será citado para, dentro de 10 (dez) dias, satisfazer a obrigação ou, seguro o juízo (art. 737, II), apresentar embargos. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Parágrafo único. O juiz, ao despachar a inicial, poderá fixar multa por dia de atraso no cumprimento da obrigação, ficando o respectivo valor sujeito a alteração, caso se revele insuficiente ou excessivo. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 622. O devedor poderá depositar a coisa, em vez de entregá-la, quando quiser opor embargos. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 623. Depositada a coisa, o exeqüente não poderá levantá-la antes do julgamento dos embargos. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 624. Se o executado entregar a coisa, lavrar-se-á o respectivo termo e dar-se-á por finda a execução, salvo se esta tiver de prosseguir para o pagamento de frutos ou ressarcimento de prejuízos. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 625. Não sendo a coisa entregue ou depositada, nem admitidos embargos suspensivos da execução, expedir-se-á, em favor do credor, mandado de imissão na posse ou de busca e apreensão, conforme se tratar de imóvel ou de móvel.(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 626. Alienada a coisa quando já litigiosa, expedir-se-á mandado contra o terceiro adquirente, que somente será ouvido depois de depositá-la.

 Art. 627. O credor tem direito a receber, além de perdas e danos, o valor da coisa, quando esta não Ihe for entregue, se deteriorou, não for encontrada ou não for reclamada do poder de terceiro adquirente.

 § 1o Não constando do título o valor da coisa, ou sendo impossível a sua avaliação, o exeqüente far-lhe-á a estimativa, sujeitando-se ao arbitramento judicial. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 § 2o Serão apurados em liquidação o valor da coisa e os prejuízos. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 628. Havendo benfeitorias indenizáveis feitas na coisa pelo devedor ou por terceiros, de cujo poder ela houver sido tirada, a liquidação prévia é obrigatória. Se houver saldo em favor do devedor, o credor o depositará ao requerer a entrega da coisa; se houver saldo em favor do credor, este poderá cobrá-lo nos autos do mesmo processo.

 Seção II Da Entrega de Coisa Incerta

 Art. 629. Quando a execução recair sobre coisas determinadas pelo gênero e quantidade, o devedor será citado para entregá-las individualizadas, se Ihe couber a escolha; mas se essa couber ao credor, este a indicará na petição inicial.

 Art. 630. Qualquer das partes poderá, em 48 (quarenta e oito) horas, impugnar a escolha feita pela outra, e o juiz decidirá de plano, ou, se necessário, ouvindo perito de sua nomeação.

 Art. 631. Aplicar-se-á à execução para entrega de coisa incerta o estatuído na seção anterior.

 CAPÍTULO III DA EXECUÇÃO DAS OBRIGAÇÕES DE FAZER E DE NÃO FAZER

 Seção I Da Obrigação de Fazer

 Art. 632. Quando o objeto da execução for obrigação de fazer, o devedor será citado para satisfazê-la no prazo que o juiz Ihe assinar, se outro não estiver determinado no título executivo. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 633. Se, no prazo fixado, o devedor não satisfizer a obrigação, é lícito ao credor, nos próprios autos do processo, requerer que ela seja executada à custa do devedor, ou haver perdas e danos; caso em que ela se converte em indenização.

 Parágrafo único. O valor das perdas e danos será apurado em liquidação, seguindo-se a execução para cobrança de quantia certa.

 Art. 634. Se o fato puder ser prestado por terceiros, é lícito ao juiz, a requerimento do credor, decidir que aquele o realize à custa do devedor. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 1o O juiz nomeará um perito que avaliará o custo da prestação do fato, mandando em seguida expedir edital de concorrência pública, com o prazo máximo de 30 (trinta) dias.(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 2o As propostas serão acompanhadas de prova do depósito da importância, que o juiz estabelecerá a título de caução. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 3o No dia, lugar e hora designados, abertas as propostas, escolherá o juiz a mais vantajosa. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 4o Se o credor não exercer a preferência a que se refere o art. 637, o concorrente, cuja proposta foi aceita, obrigar-se-á, dentro de 5 (cinco) dias, por termo nos autos, a prestar o fato sob pena de perder a quantia caucionada. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 5o Ao assinar o termo o contratante fará nova caução de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o valor do contrato. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 6o No caso de descumprimento da obrigação assumida pelo concorrente ou pelo contratante, a caução, referida nos §§ 4o e 5o, reverterá em benefício do credor. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 7o O credor adiantará ao contratante as quantias estabelecidas na proposta aceita. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 635. Prestado o fato, o juiz ouvirá as partes no prazo de 10 (dez) dias; não havendo impugnação, dará por cumprida a obrigação; em caso contrário, decidirá a impugnação.

 Art. 636. Se o contratante não prestar o fato no prazo, ou se o praticar de modo incompleto ou defeituoso, poderá o credor requerer ao juiz, no prazo de 10 (dez) dias, que o autorize a concluí-lo, ou a repará-lo, por conta do contratante.

 Parágrafo único. Ouvido o contratante no prazo de 5 (cinco) dias, o juiz mandará avaliar o custo das despesas necessárias e condenará o contratante a pagá-lo.

 Art. 637. Se o credor quiser executar, ou mandar executar, sob sua direção e vigilância, as obras e trabalhos necessários à prestação do fato, terá preferência, em igualdade de condições de oferta, ao terceiro.

 Parágrafo único. O direito de preferência será exercido no prazo de 5 (cinco) dias, contados da escolha da proposta, a que alude o art. 634, § 3o.

 Art. 638. Nas obrigações de fazer, quando for convencionado que o devedor a faça pessoalmente, o credor poderá requerer ao juiz que Ihe assine prazo para cumpri-la.

 Parágrafo único. Havendo recusa ou mora do devedor, a obrigação pessoal do devedor converter-se-á em perdas e danos, aplicando-se outrossim o disposto no art. 633.

 Art. 639. Se aquele que se comprometeu a concluir um contrato não cumprir a obrigação, a outra parte, sendo isso possível e não excluído pelo título, poderá obter uma sentença que produza o mesmo efeito do contrato a ser firmado.

 Art. 640. Tratando-se de contrato, que tenha por objeto a transferência da propriedade de coisa determinada, ou de outro direito, a ação não será acolhida se a parte, que a intentou, não cumprir a sua prestação, nem a oferecer, nos casos e formas legais, salvo se ainda não exigível.

 Art. 641. Condenado o devedor a emitir declaração de vontade, a sentença, uma vez transitada em julgado, produzirá todos os efeitos da declaração não emitida.

 Seção II Da Obrigação de Não Fazer

 Art. 642. Se o devedor praticou o ato, a cuja abstenção estava obrigado pela lei ou pelo contrato, o credor requererá ao juiz que Ihe assine prazo para desfazê-lo.

 Art. 643. Havendo recusa ou mora do devedor, o credor requererá ao juiz que mande desfazer o ato à sua custa, respondendo o devedor por perdas e danos.

 Parágrafo único. Não sendo possível desfazer-se o ato, a obrigação resolve-se em perdas e danos.

 Seção III Das Disposições Comuns às Seções Precedentes

 Art. 644. A sentença relativa a obrigação de fazer ou não fazer cumpre-se de acordo com o art. 461, observando-se, subsidiariamente, o disposto neste Capítulo. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 645. Na execução de obrigação de fazer ou não fazer, fundada em título extrajudicial, o juiz, ao despachar a inicial, fixará multa por dia de atraso no cumprimento da obrigação e a data a partir da qual será devida. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Parágrafo único. Se o valor da multa estiver previsto no título, o juiz poderá reduzi-lo se excessivo. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 CAPÍTULO IV DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA CONTRA DEVEDOR SOLVENTE

 Seção I Da Penhora, da Avaliação e da Arrematação

 Subseção I Das Disposições Gerais

 Art. 646. A execução por quantia certa tem por objeto expropriar bens do devedor, a fim de satisfazer o direito do credor (art. 591).

 Art. 647. A expropriação consiste:

 I - na alienação de bens do devedor;

 II - na adjudicação em favor do credor;

 III - no usufruto de imóvel ou de empresa.

 Art. 648. Não estão sujeitos à execução os bens que a lei considera impenhoráveis ou inalienáveis.

 Art. 649. São absolutamente impenhoráveis:

 I - os bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não sujeitos à execução;

 II - as provisões de alimento e de combustível, necessárias à manutenção do devedor e de sua família durante 1 (um) mês;

 III - o anel nupcial e os retratos de família;

 IV - os vencimentos dos magistrados, dos professores e dos funcionários públicos, o soldo e os salários, salvo para pagamento de prestação alimentícia;

 V - os equipamentos dos militares;

 Vl - os livros, as máquinas, os utensílios e os instrumentos, necessários ou úteis ao exercício de qualquer profissão;

 Vll - as pensões, as tenças ou os montepios, percebidos dos cofres públicos, ou de institutos de previdência, bem como os provenientes de liberalidade de terceiro, quando destinados ao sustento do devedor ou da sua família;

 Vlll - os materiais necessários para obras em andamento, salvo se estas forem penhoradas;

 IX - o seguro de vida;

 X - o imóvel rural, até um modulo, desde que este seja o único de que disponha o devedor, ressalvada a hipoteca para fins de financiamento agropecuário. (Incluído pela Lei nº 7.513, de 9.7.1986)

 Art. 650. Podem ser penhorados, à falta de outros bens:

 I - os frutos e os rendimentos dos bens inalienáveis, salvo se destinados a alimentos de incapazes, bem como de mulher viúva, solteira, desquitada, ou de pessoas idosas;

 II - as imagens e os objetos do culto religioso, sendo de grande valor.

 Art. 651. Antes de arrematados ou adjudicados os bens, pode o devedor, a todo tempo, remir a execução, pagando ou consignando a importância da dívida, mais juros, custas e honorários advocatícios.

 Subseção II Da Citação do Devedor e da Nomeação de Bens

 Art. 652. O devedor será citado para, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, pagar ou nomear bens à penhora.

 § 1o O oficial de justiça certificará, no mandado, a hora da citação.

 § 2o Se não localizar o devedor, o oficial certificará cumpridamente as diligências realizadas para encontrá-lo.

 Art. 653. O oficial de justiça, não encontrando o devedor, arrestar-lhe-á tantos bens quantos bastem para garantir a execução.

 Parágrafo único. Nos 10 (dez) dias seguintes à efetivação do arresto, o oficial de justiça procurará o devedor três vezes em dias distintos; não o encontrando, certificará o ocorrido.

 Art. 654. Compete ao credor, dentro de 10 (dez) dias, contados da data em que foi intimado do arresto a que se refere o parágrafo único do artigo anterior, requerer a citação por edital do devedor. Findo o prazo do edital, terá o devedor o prazo a que se refere o art. 652, convertendo-se o arresto em penhora em caso de não-pagamento.

 Art. 655. Incumbe ao devedor, ao fazer a nomeação de bens, observar a seguinte ordem:

 I - dinheiro;

 II - pedras e metais preciosos;

 III - títulos da dívida pública da União ou dos Estados;

 IV - títulos de crédito, que tenham cotação em bolsa;

 V - móveis;

 Vl - veículos;

 Vll - semoventes;

 Vlll - imóveis;

 IX - navios e aeronaves;

 X - direitos e ações.

 § 1o Incumbe também ao devedor:

 I - quanto aos bens imóveis, indicar-lhes as transcrições aquisitivas, situá-los e mencionar as divisas e confrontações;

 II - quanto aos móveis, particularizar-lhes o estado e o lugar em que se encontram;

 III - quanto aos semoventes, especificá-los, indicando o número de cabeças e o imóvel em que se acham;

 IV - quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem da dívida, o título que a representa e a data do vencimento;

 V - atribuir valor aos bens nomeados à penhora. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 2o Na execução de crédito pignoratício, anticrético ou hipotecário, a penhora, independentemente de nomeação, recairá sobre a coisa dada em garantia.

 Art. 656. Ter-se-á por ineficaz a nomeação, salvo convindo o credor:

 I - se não obedecer à ordem legal;

 II - se não versar sobre os bens designados em lei, contrato ou ato judicial para o pagamento;

 III - se, havendo bens no foro da execução, outros hajam sido nomeados;

 IV - se o devedor, tendo bens livres e desembargados, nomear outros que o não sejam;

 V - se os bens nomeados forem insuficientes para garantir a execução;

 Vl - se o devedor não indicar o valor dos bens ou omitir qualquer das indicações a que se referem os ns. I a IV do § 1o do artigo anterior.

 Parágrafo único. Aceita a nomeação, cumpre ao devedor, dentro de prazo razoável assinado pelo juiz, exibir a prova de propriedade dos bens e, quando for o caso, a certidão negativa de ônus.

 Art. 657. Cumprida a exigência do artigo antecedente, a nomeação será reduzida a termo, havendo-se por penhorados os bens; em caso contrário, devolver-se-á ao credor o direito à nomeação.

 Parágrafo único. O juiz decidirá de plano as dúvidas suscitadas pela nomeação.

 Art. 658. Se o devedor não tiver bens no foro da causa, far-se-á a execução por carta, penhorando-se, avaliando-se e alienando-se os bens no foro da situação (art. 747).

 Subseção III Da Penhora e do Depósito

 Art. 659. Se o devedor não pagar, nem fizer nomeação válida, o oficial de justiça penhorar-lhe-á tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal, juros, custas e honorários advocatícios.

 § 1o Efetuar-se-á a penhora onde quer que se encontrem os bens, ainda que em repartição pública; caso em que precederá requisição do juiz ao respectivo chefe.

 § 2o Não se levará a efeito a penhora, quando evidente que o produto da execução dos bens encontrados será totalmente absorvido pelo pagamento das custas da execução.

 § 3o No caso do parágrafo anterior e bem assim quando não encontrar quaisquer bens penhoráveis, o oficial descreverá na certidão os que guarnecem a residência ou o estabelecimento do devedor.

 § 4o A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora, cabendo ao exeqüente, sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. 669), providenciar, para presunção absoluta de conhecimento por terceiros, o respectivo registro no ofício imobiliário, mediante apresentação de certidão de inteiro teor do ato e independentemente de mandado judicial. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 § 5o Nos casos do § 4o, quando apresentada certidão da respectiva matrícula, a penhora de imóveis, independentemente de onde se localizem, será realizada por termo nos autos, do qual será intimado o executado, pessoalmente ou na pessoa de seu advogado, e por este ato constituído depositário. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002)

 Art. 660. Se o devedor fechar as portas da casa, a fim de obstar a penhora dos bens, o oficial de justiça comunicará o fato ao juiz, solicitando-lhe ordem de arrombamento.

 Art. 661. Deferido o pedido mencionado no artigo antecedente, dois oficiais de justiça cumprirão o mandado, arrombando portas, móveis e gavetas, onde presumirem que se achem os bens, e lavrando de tudo auto circunstanciado, que será assinado por duas testemunhas, presentes à diligência.

 Art. 662. Sempre que necessário, o juiz requisitará força policial, a fim de auxiliar os oficiais de justiça na penhora dos bens e na prisão de quem resistir à ordem.

 Art. 663. Os oficiais de justiça lavrarão em duplicata o auto de resistência, entregando uma via ao escrivão do processo para ser junta aos autos e a outra à autoridade policial, a quem entregarão o preso.

 Parágrafo único. Do auto de resistência constará o rol de testemunhas, com a sua qualificação.

 Art. 664. Considerar-se-á feita a penhora mediante a apreensão e o depósito dos bens, lavrando-se um só auto se as diligências forem concluídas no mesmo dia.

 Parágrafo único. Havendo mais de uma penhora, lavrar-se-á para cada qual um auto.

 Art. 665. O auto de penhora conterá:

 I - a indicação do dia, mês, ano e lugar em que foi feita;

 II - os nomes do credor e do devedor;

 III - a descrição dos bens penhorados, com os seus característicos;

 IV - a nomeação do depositário dos bens.

 Art. 666. Se o credor não concordar em que fique como depositário o devedor, depositar-se-ão:

 I - no Banco do Brasil, na Caixa Econômica Federal, ou em um banco, de que o Estado-Membro da União possua mais de metade do capital social integralizado; ou, em falta de tais estabelecimentos de crédito, ou agências suas no lugar, em qualquer estabelecimento de crédito, designado pelo juiz, as quantias em dinheiro, as pedras e os metais preciosos, bem como os papéis de crédito;

 II - em poder do depositário judicial, os móveis e os imóveis urbanos;

 III - em mãos de depositário particular, os demais bens, na forma prescrita na Subseção V deste Capítulo.

 Art. 667. Não se procede à segunda penhora, salvo se:

 I - a primeira for anulada;

 II - executados os bens, o produto da alienação não bastar para o pagamento do credor;

 III - o credor desistir da primeira penhora, por serem litigiosos os bens, ou por estarem penhorados, arrestados ou onerados.

 Art. 668. O devedor, ou responsável, pode, a todo tempo, antes da arrematação ou da adjudicação, requerer a substituição do bem penhorado por dinheiro; caso em que a execução correrá sobre a quantia depositada.

 Art. 669. Feita a penhora, intimar-se-á o devedor para embargar a execução no prazo de 10 (dez) dias. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Parágrafo único. Recaindo a penhora em bens imóveis, será intimado também o cônjuge do devedor. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 670. O juiz autorizará a alienação antecipada dos bens penhorados quando:

 I - sujeitos a deterioração ou depreciação;

 II - houver manifesta vantagem.

 Parágrafo único. Quando uma das partes requerer a alienação antecipada dos bens penhorados, o juiz ouvirá sempre a outra antes de decidir.

 Subseção IV Da Penhora de Créditos e de Outros Direitos Patrimoniais

 Art. 671. Quando a penhora recair em crédito do devedor, o oficial de justiça o penhorará. Enquanto não ocorrer a hipótese prevista no artigo seguinte, considerar-se-á feita a penhora pela intimação: (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - ao terceiro devedor para que não pague ao seu credor; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - ao credor do terceiro para que não pratique ato de disposição do crédito. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 672. A penhora de crédito, representada por letra de câmbio, nota promissória, duplicata, cheque ou outros títulos, far-se-á pela apreensão do documento, esteja ou não em poder do devedor.

 § 1o Se o título não for apreendido, mas o terceiro confessar a dívida, será havido como depositário da importância.

 § 2o O terceiro só se exonerará da obrigação, depositando em juízo a importância da dívida.

 § 3o Se o terceiro negar o débito em conluio com o devedor, a quitação, que este Ihe der, considerar-se-á em fraude de execução.

 § 4o A requerimento do credor, o juiz determinará o comparecimento, em audiência especialmente designada, do devedor e do terceiro, a fim de Ihes tomar os depoimentos.

 Art. 673. Feita a penhora em direito e ação do devedor, e não tendo este oferecido embargos, ou sendo estes rejeitados, o credor fica sub-rogado nos direitos do devedor até a concorrência do seu crédito.

 § 1o O credor pode preferir, em vez da sub-rogação, a alienação judicial do direito penhorado, caso em que declarará a sua vontade no prazo de 10 (dez) dias contados da realização da penhora.

 § 2o A sub-rogação não impede ao sub-rogado, se não receber o crédito do devedor, de prosseguir na execução, nos mesmos autos, penhorando outros bens do devedor.

 Art. 674. Quando o direito estiver sendo pleiteado em juízo, averbar-se-á no rosto dos autos a penhora, que recair nele e na ação que Ihe corresponder, a fim de se efetivar nos bens, que forem adjudicados ou vierem a caber ao devedor.

 Art. 675. Quando a penhora recair sobre dívidas de dinheiro a juros, de direito a rendas, ou de prestações periódicas, o credor poderá levantar os juros, os rendimentos ou as prestações à medida que forem sendo depositadas, abatendo-se do crédito as importâncias recebidas, conforme as regras da imputação em pagamento.

 Art. 676. Recaindo a penhora sobre direito, que tenha por objeto prestação ou restituição de coisa determinada, o devedor será intimado para, no vencimento, depositá-la, correndo sobre ela a execução.

 Subseção V Da Penhora, do Depósito e da Administração de Empresa e de Outros Estabelecimentos

 Art. 677. Quando a penhora recair em estabelecimento comercial, industrial ou agrícola, bem como em semoventes, plantações ou edifício em construção, o juiz nomeará um depositário, determinando-lhe que apresente em 10 (dez) dias a forma de administração.

 § 1o Ouvidas as partes, o juiz decidirá.

 § 2o É lícito, porém, às partes ajustarem a forma de administração, escolhendo o depositário; caso em que o juiz homologará por despacho a indicação.

 Art. 678. A penhora de empresa, que funcione mediante concessão ou autorização, far-se-á, conforme o valor do crédito, sobre a renda, sobre determinados bens ou sobre todo o patrimônio, nomeando o juiz como depositário, de preferência, um dos seus diretores.

 Parágrafo único. Quando a penhora recair sobre a renda, ou sobre determinados bens, o depositário apresentará a forma de administração e o esquema de pagamento observando-se, quanto ao mais, o disposto nos arts. 716 a 720; recaindo, porém, sobre todo o patrimônio, prosseguirá a execução os seus ulteriores termos, ouvindo-se, antes da arrematação ou da adjudicação, o poder público, que houver outorgado a concessão.

 Art. 679. A penhora sobre navio ou aeronave não obsta a que continue navegando ou operando até a alienação; mas o juiz, ao conceder a autorização para navegar ou operar, não permitirá que saia do porto ou aeroporto antes que o devedor faça o seguro usual contra riscos.

 Subseção VI Da Avaliação

 Art. 680. Prosseguindo a execução, e não configurada qualquer das hipóteses do art. 684, o juiz nomeará perito para estimar os bens penhorados, se não houver, na comarca, avaliador oficial, ressalvada a existência de avaliação anterior (art. 655, § 1o, V). (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 681. O laudo do avaliador, que será apresentado em 10 (dez) dias, conterá:

 I - a descrição dos bens, com os seus característicos, e a indicação do estado em que se encontram;

 II - o valor dos bens.

 Parágrafo único. Quando o imóvel for suscetível de cômoda divisão, o perito, tendo em conta o crédito reclamado, o avaliará em suas partes, sugerindo os possíveis desmembramentos.

 Art. 682. O valor dos títulos da dívida pública, das ações das sociedades e dos títulos de crédito negociáveis em bolsa será o da cotação oficial do dia, provada por certidão ou publicação no órgão oficial.

 Art. 683. Não se repetirá a avaliação, salvo quando:

 I - se provar erro ou dolo do avaliador;

 II - se verificar, posteriormente à avaliação, que houve diminuição do valor dos bens;

 III - houver fundada dúvida sobre o valor atribuído ao bem (art. 655, § 1o, V). (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 684. Não se procederá à avaliação se:

 I - o credor aceitar a estimativa feita na nomeação de bens;

 II - se tratar de títulos ou de mercadorias, que tenham cotação em bolsa, comprovada por certidão ou publicação oficial;

 III - os bens forem de pequeno valor.

 Art. 685. Após a avaliação, poderá mandar o juiz, a requerimento do interessado e ouvida a parte contrária:

 I - reduzir a penhora aos bens suficientes, ou transferi-la para outros, que bastem à execução, se o valor dos penhorados for consideravelmente superior ao crédito do exeqüente e acessórios;

 Il - ampliar a penhora, ou transferi-la para outros bens mais valiosos, se o valor dos penhorados for inferior ao referido crédito.

 Parágrafo único. Uma vez cumpridas essas providências, o juiz mandará publicar os editais de praça.

 Subseção VII Da Arrematação

 Art. 686. A arrematação será precedida de edital, que conterá: (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - a descrição do bem penhorado com os seus característicos e, tratando-se de imóvel, a situação, as divisas e a transcrição aquisitiva ou a inscrição; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 II - o valor do bem; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 III - o lugar onde estiverem os móveis, veículos e semoventes; e, sendo direito e ação, os autos do processo, em que foram penhorados; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 IV - o dia, o lugar e a hora da praça ou do leilão;(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 V - menção da existência de ônus, recurso ou causa pendente sobre os bens a serem arrematados; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 VI - a comunicação de que, se o bem não alcançar lanço superior à importância da avaliação, seguir-se-á, em dia e hora que forem desde logo designados entre os dez e os vinte dias seguintes, a sua alienação pelo maior lanço (art. 692). (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 1o No caso do art. 684, II, constará do edital o valor da última cotação anterior à expedição deste. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 2o A praça realizar-se-á no átrio do edifício do Fórum; o leilão, onde estiverem os bens, ou no lugar designado pelo juiz. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 § 3o Quando os bens penhorados não excederem o valor correspondente a 20 (vinte) vezes o maior salário mínimo, conforme o art. 275 desta Lei, será dispensada a publicação de editais, não podendo, neste caso, o preço da arrematação ser inferior ao da avaliação. (Incluído pela Lei nº 7.363, de 11.9.1985)

 Art. 687. O edital será afixado no local do costume e publicado, em resumo, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias, pelo menos uma vez em jornal de ampla circulação local. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 1o A publicação do edital será feita no órgão oficial, quando o credor for beneficiário da justiça gratuita. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 2o Atendendo ao valor dos bens e às condições da comarca, o juiz poderá alterar a forma e a freqüência da publicidade na imprensa, mandar divulgar avisos em emissora local e adotar outras providências tendentes à mais ampla publicidade da alienação. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 3o Os editais de praça serão divulgados pela imprensa preferencialmente na seção ou local reservado à publicidade de negócios imobiliários. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 4o O juiz poderá determinar a reunião de publicações em listas referentes a mais de uma execução. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 § 5o O devedor será intimado pessoalmente, por mandado, ou carta com aviso de recepção, ou por outro meio idôneo, do dia, hora e local da alienação judicial. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 688. Não se realizando, por motivo justo, a praça ou o leilão, o juiz mandará publicar pela imprensa local e no órgão oficial a transferência.

 Parágrafo único. O escrivão, o porteiro ou o leiloeiro, que culposamente der causa à transferência, responde pelas despesas da nova publicação, podendo o juiz aplicar-lhe a pena de suspensão por 5 (cinco) a 30 (trinta) dias.

 Art. 689. Sobrevindo a noite, prosseguirá a praça ou o leilão no dia útil imediato, à mesma hora em que teve início, independentemente de novo edital.

 Art. 690. A arrematação far-se-á com dinheiro à vista, ou a prazo de 3 (três) dias, mediante caução idônea.

 § 1o - É admitido a lançar todo aquele que estiver na livre administração de seus bens.

 Excetuam-se:

 I - os tutores, os curadores, os testamenteiros, os administradores, os síndicos, ou liquidantes, quanto aos bens confiados à sua guarda e responsabilidade;

 II - os mandatários, quanto aos bens, de cuja administração ou alienação estejam encarregados;

 III - o juiz, o escrivão, o depositário, o avaliador e o oficial de justiça.

 § 2o O credor, que arrematar os bens, não está obrigado a exibir o preço; mas se o valor dos bens exceder o seu crédito, depositará, dentro em 3 (três) dias, a diferença, sob pena de desfazer-se a arrematação; caso em que os bens serão levados à praça ou ao leilão à custa do credor.

 Art. 691. Se a praça ou o leilão for de diversos bens e houver mais de um lançador, será preferido aquele que se propuser a arrematá-los englobadamente, oferecendo para os que não tiverem licitante preço igual ao da avaliação e para os demais o de maior lanço.

 Art. 692. Não será aceito lanço que, em segunda praça ou leilão, ofereça preço vil. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Parágrafo único. Será suspensa a arrematação logo que o produto da alienação dos bens bastar para o pagamento do credor. (Incluído pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994)

 Art. 693. A arrematação constará de auto, que será lavrado 24 (vinte e quatro) horas depois de realizada a praça ou o leilão.

 Art. 694. Assinado o auto pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante e pelo porteiro ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável.

 Parágrafo único. Poderá, no entanto, desfazer-se:

 I - por vício de nulidade;

 II - se não for pago o preço ou se não for prestada a caução;

 III - quando o arrematante provar, nos 3 (três) dias seguintes, a existência de ônus real não mencionado no edital;

 IV - nos casos previstos neste Código (arts. 698 e 699).

 Art. 695. Se o arrematante ou o seu fiador não pagar dentro de 3 (três) dias o preço, o juiz impor-lhe-á, em favor do exeqüente, a multa de 20% (vinte por cento) calculada sobre o lanço.

 § 1o Não preferindo o credor que os bens voltem a nova praça ou leilão, poderá cobrar ao arrematante e ao seu fiador o preço da arrematação e a multa, valendo a decisão como título executivo.

 § 2o O credor manifestará a opção, a que se refere o parágrafo antecedente, dentro em 10 (dez) dias, contados da verificação da mora.

 § 3o Não serão admitidos a lançar em nova praça ou leilão o arrematante e o fiador remissos.

 Art. 696. O fiador do arrematante, que pagar o valor do lanço e a multa, poderá requerer que a arrematação Ihe seja transferida.

 Art. 697. Quando a penhora recair sobre imóvel, far-se-á a alienação em praça.

 Art. 698. Não se efetuará a praça de imóvel hipotecado ou emprazado, sem que seja intimado, com 10 (dez) dias pelo menos de antecedência, o credor hipotecário ou o senhorio direto, que não seja de qualquer modo parte na execução.

 Art. 699. Na execução de hipoteca de vias férreas, não se passará carta ao maior lançador, nem ao credor adjudicatário, antes de intimar o representante da Fazenda Nacional, ou do Estado, a que tocar a preferência, para, dentro de 30 (trinta) dias, usá-la se quiser, pagando o preço da arrematação ou da adjudicação.

 Art. 700. Poderá o juiz, ouvidas as partes e sem prejuízo da expedição dos editais, atribuir a corretor de imóveis inscrito na entidade oficial da classe a intermediação na alienação do imóvel penhorado. Quem estiver interessado em arrematar o imóvel sem o pagamento imediato da totalidade do preço poderá, até 5 (cinco) dias antes da realização da praça, fazer por escrito o seu lanço, não inferior à avaliação, propondo pelo menos 40% (quarenta por cento) à vista e o restante a prazo, garantido por hipoteca sobre o próprio imóvel. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 6.851, de 1980)

 § 1o A proposta indicará o prazo, a modalidade e as condições de pagamento do saldo. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 6.851, de 1980)

 § 2o Se as partes concordarem com a proposta, o juiz a homologará, mandando suspender a praça, e correndo a comissão do mediador, que não poderá exceder de 5% (cinco por cento) sobre o valor da alienação, por conta do proponente. (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 6.851, de 1980)

 § 3o Depositada, no prazo que o juiz fixar, a parcela inicial, será expedida a carta de arrematação (art. 703), contendo os termos da proposta e a decisão do juiz, servindo a carta de título para o registro hipotecário. Não depositada a parcela inicial, o juiz imporá ao proponente, em favor do exeqüente, multa igual a 20% (vinte por cento) sobre a proposta, valendo a decisão como título executivo. (Incluído pela Lei nº 6.851, de 1980)

 Art. 701. Quando o imóvel de incapaz não alcançar em praça pelo menos 80% (oitenta por cento) do valor da avaliação, o juiz o confiará à guarda e administração de depositário idôneo, adiando a alienação por prazo não superior a 1(um) ano.

 § 1o Se, durante o adiamento, algum pretendente assegurar, mediante caução idônea, o preço da avaliação, o juiz ordenará a alienação em praça.

 § 2o Se o pretendente à arrematação se arrepender, o juiz Ihe imporá a multa de 20% (vinte por cento) sobre o valor da avaliação, em benefício do incapaz, valendo a decisão como título executivo.

 § 3o Sem prejuízo do disposto nos dois parágrafos antecedentes, o juiz poderá autorizar a locação do imóvel no prazo do adiamento.

 § 4o Findo o prazo do adiamento, o imóvel será alienado, na forma prevista no art. 686, Vl.

 Art. 702. Quando o imóvel admitir cômoda divisão, o juiz, a requerimento do devedor, ordenará a alienação judicial de parte dele, desde que suficiente para pagar o credor.

 Parágrafo único. Não havendo lançador, far-se-á a alienação do imóvel em sua integridade.

 Art. 703. A carta de arrematação conterá: (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 I - a descrição do imóvel, constante do título, ou, à sua falta, da avaliação; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Il - a prova de quitação dos impostos; (Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 III - o auto de arrematação;(Código de Processo Civil - CPC - Lei 5.869 - Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 IV - o título executivo. (Incluído pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)

 Art. 704. Ressalvados os casos de atribuição de corretores da Bolsa de Valores e o previsto no art. 700, todos os demais bens penhorados serão alienados em leilão público.

 Art. 705. Cumpre ao leiloeiro:

 I - publicar o edital, anunciando a alienação;

 II - realizar o leilão onde se encontrem os bens, ou no lugar designado pelo juiz;

 III - expor aos pretendentes os bens ou as amostras das mercadorias;

 IV - receber do arrematante a comissão estabelecida em lei ou arbitrada pelo juiz;

 V - receber e depositar, dentro em 24 (vinte e quatro) horas, à ordem do juiz, o produto da alienação;

 Vl - prestar contas nas 48 (quarenta e oito) horas subseqüentes ao depósito.

 Art. 706. O leiloeiro público será livremente escolhido pelo credor.

 Art. 707. Efetuado o leilão, lavrar-se-á o auto, expedindo-se a carta de arrematação.

 Seção II Do Pagamento ao Credor

 Subseção I Das Disposições Gerais

 Art. 708. O pagamento ao credor far-se-á:

 I - pela entrega do dinheiro;

 II - pela adjudicação dos bens penhorados;

 III - pelo usufruto de bem imóvel ou de empresa.

 Subseção II Da Entrega do Dinheiro

 Art. 709. O juiz autorizará que o credor levante, até a satisfação integral de seu crédito, o dinheiro depositado para segurar o juízo ou o produto dos bens alienados quando:

 I - a execução for movida só a benefício do credor singular, a quem, por força da penhora, cabe o direito de preferência sobre os bens penhorados e alienados;

 II - não houver sobre os bens alienados qualquer outro privilégio ou preferência, instituído anteriormente à penhora.

 Parágrafo único. Ao receber o mandado de levantamento, o credor dará ao devedor, por termo nos autos, quitação da quantia paga.

 Art. 710. Estando o credor pago do principal, juros, custas e honorários, a importância que sobejar será restituída ao devedor.

 Art. 711. Concorrendo vários credores, o dinheiro ser-lhes-á distribuído e entregue consoante a ordem das respectivas prelações; não havendo título legal à preferência, receberá em primeiro lugar o credor que promoveu a execução, cabendo aos demais concorrentes direito sobre a importância restante, observada a anterioridade de cada penhora.

 Art. 712. Os credores formularão as suas pretensões, requerendo as provas que irão produzir em audiência; mas a disputa entre eles versará unicamente sobre o direito de preferência e a anterioridade da penhora.

 Art. 713. Findo o debate, o juiz proferirá a sentença.

 Subseção III Da Adjudicação de Imóvel

 Art. 714. Finda a praça sem lançador, é lícito ao credor, oferecendo preço não inferior ao que consta do edital, requerer Ihe sejam adjudicados os bens penhorados.

 § 1o Idêntico direito pode ser exercido pelo credor hipotecário e pelos credores concorrentes, que penhorarem o mesmo imóvel.

 § 2o Havendo mais de um pretendente pelo mesmo preço, proceder-se-á entre eles à licitação; se nenhum deles oferecer maior quantia, o credor hipotecário preferirá ao exeqüente e aos credores concorrentes.