Mercado de trabalho

O campo de trabalho do engenheiro mecânico é menor do que o oferecido por outras profissões, como é o caso do administrador, do contador e do economista, que realizam perícias de cálculos financeiros e trabalhistas; dos engenheiros civis, que realizam perícias de construção civil, entre outras; e dos agrônomos, nas perícias rurais. Todavia, existem muitas perícias de avaliações de máquinas e equipamentos para serem realizadas por engenheiros da área mecânica, além de outros tipos pertinentes a essa categoria. Pode-se realizar também laudos de avaliações para fora da Justiça, como laudos para garantia de financiamento, lei das S.A., seguro etc.

Métodos de avaliação de máquinas e equipamentos

Na maioria das vezes, as avaliações de máquinas e equipamentos são realizadas pelo método comparativo e de reprodução, utilizando-se a tabela de Ross-Heidecke de depreciação.

O livro Manual de Perícias discute alguns pontos acerca da avaliação de imóveis, máquinas e equipamentos. No mesmo livro, há um modelo de ficha de preenchimento de equipamento para avaliação, além de uma tabela com a vida útil de uma série de máquinas e equipamentos. A maneira de avaliar máquinas e equipamentos é a mesma empregada para os imóveis. Alguns livros da editora Pini tratam de avaliações de bens, entre eles, máquinas e equipamentos, podendo ser interessantes, embora discorram pouco sobre o assunto em tela.

A avaliação de máquinas e equipamentos é idêntica à de imóveis. A forma mais correta é utilizar o Método Comparativo, através de uma pesquisa de mercado. Se fosse uma avaliação simples, se faz uma pesquisa com cinco ou mais amostras de bens idênticos e buscasse a média entre elas. Se utiliza a tabela de depreciação de Ross-Heidecke.

É conveniente seguir o modelo de laudo de avaliação de imóveis do livro Manual de Perícias, quanto a sua configuração e apresentação, e que o transformasse em um laudo de avaliação de equipamentos.

No caso de haver um fabricante apenas, a pesquisa será de uma amostra, sendo utilizado o próprio equipamento novo como valor base e depreciá-lo conforme o estado do avaliando. É preciso pensar que o valor do equipamento a ser avaliado deverá ser pago por uma pessoa que irá comprá-lo; com isso, não haverá os valores de frete, treinamento e instalação. Se o valor do equipamento novo contiver tais acréscimos, é necessário descontá-los. Se o equipamento estiver instalado, deve ser pensado o valor que o comprador gastará para retirá-lo.

Quando não se encontra amostra na pesquisa, fica-se obrigado a utilizar o Método de Reprodução. Que seria a construção da máquina e equipamento nova. Neste caso, também a tabela de depreciação de Ross-Heidecke para deixar o bem no estado daquele que se quer avaliar.

Para fazermos uma avaliação mais criteriosa devemos fazer uma pesquisa de mercado e aplicar o tratamento de fatores (homogeneização) à amostra.  

Modelo de depreciação de máquina e equipamento pela Tabela Ross-Heideck

A Tabela de Depreciação Ross-Heideck, abaixo, é consagrada pelo uso no meio da engenharia de avaliações. Ela pode ser utilizada como coeficiente para depreciar imóveis ou, ainda, máquinas e equipamentos.

Tabela-Ross-heidecke - Veja aplicação no livro Manual de Perícias

O livro Manual de Perícias tem um capítulo sobre avaliações de imóveis, nele é explicado a depreciação de imóveis, máquinas e equipamentos. Do livro Manual de Perícias foi extraído um exemplo do emprego da Tabela de Depreciação Ross-Heideck, que segue abaixo.

Caso se tenha que determinar o valor de um apartamento usado que, em estado de novo, possui o valor de R$ 100.000,00, em estado considerado ruim e a vida útil seja de 50%, têm-se as seguintes memórias de cálculos:

I – Memória de cálculo para cálculo do coeficiente de depreciação (Cde)

       – Convenções

                Cde = coeficiente de depreciação

                It = índice retirado da Tabela Ross-Heideck para estado ruim e vida útil de 50%

       – Modelo

                 Cde = 100 – It

                                100

        – Cálculo

                 Cde = 100 – 48,8

                                  100

                 Cde = 0,512

II – Memória de cálculo para determinação do valor do imóvel usado (Vu)

         – Convenções

                 Vu = valor do imóvel usado

                 Vn = valor do imóvel novo

Cde = coeficiente de depreciação

        – Modelo

                 Vu = Vn x Cde

         – Cálculo

                 Vu = 100.000,00 x 0,512

                 Vu = 51.200,00